Capa do livro: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO NAZISMO NO CINEMA:<br>Estudo sobre a desumanização e resistência à desumanização

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO NAZISMO NO CINEMA:
Estudo sobre a desumanização e resistência à desumanização

Autores: Luciana Helena Mussi - Salvador Antonio Mireles Sandoval

livro impresso
de R$ 65,90 por
livro digital
de R$ 65,90 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

Na Compra de 3 livros do site, frete grátis

Na Compra de 2 livros do site, 50% de desconto do frete

Na Compra de 1 livro do site, 15% de desconto do frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

Esta obra tem como objetivo analisar as representações sociais do nazismo em filmes de longa-metragem no cinema americano e europeu (alemão e não alemão). As duas questões centrais do trabalho são: a desumanização e a resistência à desumanização. Para entender as diferentes representações no cinema das origens, desenvolvimento, manutenção, queda e ressurgimento “contemporâneo” do nazismo, foram selecionados 28 filmes, objetos de análise aprofundada. Iniciamos com uma fundamentação sobre o cinema e sua relação com a política. Em seguida, o cinema profético de O Gabinete do Dr. Caligari, Dr. Mabuse e Fausto anunciava o que viria em poucos anos, a ascensão do Füher, apresentado aqui em o Triunfo da Vontade, Arquitetura da Destruição, Amém e A Queda. Vivendo o dilema de aceitar e/ou resistir, chegamos ao exercício da submissão com cinco filmes, entre eles, Mephisto e Um Homem Bom. Alguns viveram no cenário de noite e neblina, como representado em Bent e O Menino do Pijama Listrado, exemplos do inominável, do incompreensível sofrimento que somente um homem pode infligir a outro. Para fugir da invasão dos territórios, pegamos carona no Trem da Vida pilotado por um “sábio louco” ou um “louco sábio”, que tudo sabe e tudo resolve. Mas como o julgamento tarda, mas não falha, seja deste mundo ou do outro, enfrentamos Nuremberg e a controversa posição da filósofa Hannah Arendt. Como compreender o lado obscuro de todos nós? Talvez filmes como A Outra História Americana e A Onda possam explicar a semente ameaçadora do mal que espreita e permite que genocídios sejam fenômenos não só do passado, mas ainda presentes na atualidade. No epílogo desse percurso, concluímos, pela análise dos filmes, que a desumanização e a resistência a ela, residem não só nos grandes ou pequenos atos dos indivíduos, mas principalmente na consciência e responsabilidade de todos e de cada um.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-1990-8
DOI: 10.24824/978854441990.8
Ano de edição: 2017
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 392
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO NAZISMO NO CINEMA:<br>Estudo sobre a desumanização e resistência à desumanização

Autores

LUCIANA HELENA MUSSI
Engenheira, psicóloga, mestre em Gerontologia e doutora em psicologia social pela PUC-SP. Editora-executiva da revista Kairós Gerontologia. Coordenadora da Coluna Filmografia do Portal do Envelhecimento. Professora do Curso de Especialização em Gerontologia (Cogeae-PUCSP).

SALVADOR A. M. SANDOVAL
Professor Titular da Faculdade de Ciências Humanas e Saúde da PUCSP, Mestre em Ciência Politica (Universidade de Texas, 1969); Mestre em Ciência Politica (Universidade de Michigan, 1972), Doutor em Ciência Politica (Universidade de Michigan, 1984). Ingresso no Programa: Atua nas áreas de Psicologia Politica, Comportamento Politica e Psicologia Comunitária. Realizou estágio de Pós-Doutorado na New School for Social Research (Nova York, EUA) 1996-1997. Foi J. P. Leman Visiting Fellow em Harvard University  2001-2002. Foi Professor visitante da Corcordia University, Montreal, Canadá em 2010 e 2012, na FLACSO – Faculdade Latino Americana de Ciências Sociales (Buenos Aires, Argentina 2008), na Universidade Federal de Minas Gerais (2004). Presidente da Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO) e fundador e presidente da Associação Brasileira de Psicologia Politica (ABPP), fundador e primeiro coeditor da Revista Psicologia Politica (Brasileira)  e fundador e coordenador do GP/CNPq Psicologia Politica e Movimentos Sociais (1986 ao presente). Membro da ABRAPSO, ABPP, Latin American Studies  Association, International Socieity of Political Psychology, Associação Ibero-Latino Americana de Psicologia Politica e da ANPEPP onde foi  co-fundador e coordenador do GT Psicologia Politica (Comportamento Politico). Foi Coordenador da Área de Psicologia na CAPES (1993-1994). Em 2016, recebeu  o PRÊMIO PROTAGONISMO NEGRO HAMILTON CARDOSO, dos estudantes universitários negros egressos da PUCSP como um dos  pesquisadores reconhecidos nas ciências sociais no Brasil por suas contribuições na formação dos primeiros pós-graduados negros da universidade brasileira na  capacidade de orientadores das primeiras teses desenvolvidas por pós-graduandos negros, a maioria desse que hoje formam quadros na universidades brasileiras.