Capa do livro: O CAMPO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: <br> do governo FHC aos governos petistas (Protagonistas da/na Luta pela Terra/Território e das Políticas Públicas – Vol. II)

O CAMPO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO:
do governo FHC aos governos petistas (Protagonistas da/na Luta pela Terra/Território e das Políticas Públicas – Vol. II)

Autores: Fabiano Coelho - Rodrigo Simão Camacho (Orgs.)

livro impresso
de R$ 65,90 por
livro digital
de R$ 65,90 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

Na Compra de 3 livros do site, frete grátis

Na Compra de 2 livros do site, 50% de desconto do frete

Na Compra de 1 livro do site, 15% de desconto do frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

A obra O Campo no Brasil Contemporâneo: do governo FHC aos governos Petistas (Protagonistas da/na Luta pela Terra/Território e das Políticas Públicas – Vol. II) analisa a diversidade de povos do campo (indígenas, quilombolas e camponeses), suas lutas e formas de resistências no cenário político brasileiro. Assim, evidencia o protagonismo desses povos para a conquista de políticas públicas nas últimas três décadas, especialmente, nos governos FHC (1995-2002), Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016). O livro também sistematiza análises sobre o Golpe de 2016 no Brasil e seus efeitos no campo, com o governo de Michel Temer (2016-2018). Os principais temas da coletânea são a recriação camponesa por meio da luta político-social-territorial, os conflitos/disputas territoriais no campo, os movimentos de luta de classes no campo (latifundiários/empresários do agronegócio versus indígenas, quilombolas e campesinato), a luta pela/na terra/território dos movimentos sociais/territoriais, a reforma agrária, o diálogo e o conflito entre os movimentos sociais/territoriais e o Estado, a luta pela demarcação de territórios indígenas e quilombolas, a violência no campo, a criminalização dos movimentos sociais/territoriais, os movimentos sociais/territoriais enquanto sujeitos educativos e comunicativos e a luta por políticas públicas pela/na terra/território. O livro foi escrito sob olhares multidisciplinares: História, Geografia, Antropologia, Sociologia, Direito, Economia e Ciência Política. Os autores e as autoras representam institucionalmente todas as regiões do Brasil (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul). Como o primeiro volume da coletânea, O Campo no Brasil Contemporâneo: do governo FHC aos governos Petistas (Questão Agrária e Reforma Agrária), a obra é um convite para refletir sobre os caminhos e os descaminhos das políticas no campo do Brasil contemporâneo.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-2532-9
DOI: 10.24824/978854442532.9
Ano de edição: 2018
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 378
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

O CAMPO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: <br> do governo FHC aos governos petistas (Protagonistas da/na Luta pela Terra/Território e das Políticas Públicas – Vol. II)

Autores

ALINE CASTILHO CRESPE
Doutora em História Indígena pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados (PPGH/UFGD). Professora de Antropologia no curso de Ciências Sociais da UFGD e professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGANT) da UFGD. Desenvolve pesquisa na interface da Antropologia e da História Indígena com grupos Kaiowá e Guarani no estado de Mato Grosso do Sul. Atua principalmente nos seguintes temas: etnologia indígena e história indígena; territorialidade, mobilidade e temporalidade Guarani e Kaiowá; História e cosmologia Guarani e Kaiowá.

LEVI MARQUES PEREIRA
Doutor em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (USP); pós-doutorado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (2009); e pós-doutorado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (2016). Professor da Universidade Federal da Grande Dourados, onde leciona na Faculdade Intercultural Indígena (Licenciatura Intercultural Indígena – Teko Arandu) e participa dos programas de Pós-Graduação em Antropologia e História. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Etnologia Sul-americana, atuando principalmente nos seguintes temas: parentesco e organização social, conhecimentos indígenas, antropologia da religião, infância e gênero, história indígena, terras indígenas e movimento social. Realizou perícias para a justiça (estadual e federal), trabalhos técnicos para governos, UNICEF e UNESCO e, também atuou em estudos de licenciamento ambiental.

THIAGO LEANDRO VIEIRA CAVALCANTE
Doutor em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Assis). Professor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), onde atua nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em História e no Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFGD). Tem experiência nas áreas de História e Antropologia, com ênfase em História Indígena e Etnologia Indígena, atuando principalmente nos seguintes temas: Etno-história, História do Indigenismo, Direitos Indígenas, Educação Intercultural e Educação Étnico-Racial.

JORGE EREMITES DE OLIVEIRA
Doutor em História/Arqueologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Concluiu estágio de pós-doutoramento em Antropologia Social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Docente da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), onde atua no curso de Graduação em Antropologia e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia, ambos articulados nos campos da Antropologia Social e Cultural e da Arqueologia. Na mesma instituição também atua no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural. Tem experiências nos campos da Arqueologia, Antropologia Social e História, com ênfase em Etnoarqueologia, Etnologia Indígena e Etno-história, bem como na produção de laudos administrativos e judiciais sobre terras tradicionalmente ocupadas por comunidades indígenas. Atualmente realiza pesquisas na região do Pantanal. Desde os anos 1990 acumula experiências em trabalhos com comunidades indígenas, sobretudo entre os Fulni-ô do Santuário dos Pajés, Guarani (Ñandeva), Guató, Kaiowá, Katitaurlu (Nambikwara) e Terena, e com algumas comunidades quilombolas nas regiões Centro-Oeste e Sul.

JANE FELIPE BELTRÃO
Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora da Universidade Federal do Pará (UFPA), lotada no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas atuando como docente permanente no Programa de Pós-Graduação em Antropologia e no Programa de Pós-Graduação em Direito. Atua como docente visitante no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Integra a Comissão de Direitos Humanos e o Comitê de Laudos Antropológicos da Associação Brasileira de Antropologia (ABA). Coordena projetos de pesquisa de faces interdisciplinares e ênfase nas áreas de Antropologia, História e Direito, entre povos tradicionais indígenas e não indígenas, diálogo a partir do campo da educação, da saúde e dos direitos diferenciados, com os necessários recortes de gênero e etnicidade; de educação e cidadania; e, particularmente, de direitos humanos e étnicos. Desenvolve ações como perito judicial, produz laudos e vistorias antropológicas.

WILLIAM CÉSAR LOPES DOMINGUES
Doutorando em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará (PPGA/UFPA). Mestre em Antropologia Social pelo PPGA/UFPA. Professor de Saúde e Sociedade no curso de Etnodesenvolvimento da UFPA. Indígena da etnia Xakriabá radicado no médio Xingu. Atualmente é presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena de Altamira-PA.

CARLOS EDUARDO MARQUES
Doutor em Antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pesquisador-fundador do Núcleo de Estudos de Populações Quilombolas e Tradicionais da Universidade Federal de Minas Gerais (NuQ-UFMG). Pesquisa na área de Antropologia, com ênfase em Teoria Antropológica, e em Antropologia do Direito e Sociologia do Direito, Antropologia Política, Antropologia Urbana e Antropologia Afro-brasileira, atuando nos seguintes temas: populações quilombolas, processo educativo, formação da nação e cidadania, patrimônio cultural, religiosidade afro-brasileira, cidades e diferença. Dedica-se a estudos e trabalhos associados à temática das comunidades quilombolas junto a universidades e organismos públicos como Ministério Público Federal (MPF), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA).

LUCAS BENTO DA SILVA
Doutorando em Geografia pelo Instituto de Estudos Socioambientais (IESA) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe da Universidade Estadual Paulista (Unesp/SP). Licenciado e Bacharel em Geografia por meio do Curso Especial de Graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp/Presidente Prudente) convênio (INCRA/PRONERA/ENFF). Tem experiência na área de Geografia Humana, com ênfase em Geografia Agrária, atuando principalmente nos seguintes temas: dinâmicas espaciais das comunidades tradicionais do Brasil, conflitos por terra e território étnico na América Latina e Caribe, políticas públicas, patrimônio imaterial e material, questões ambientais, relações étnico-raciais e direitos humanos.

MARIA CELMA BORGES
Doutora em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Assis). Pós-doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora do Curso de História da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS/Três Lagoas). Participa do INCT Proprietas e tem experiência na área de História, com ênfase para a história rural e social, atuando principalmente nos seguintes temas: história, Pontal do Paranapanema, questão agrária, oralidade, movimentos sociais, MST, pobres livres, escravos, povos originários, sul de Mato Grosso, memória e pesquisa.

FABIANO COELHO
Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados (PPGH/UFGD). Docente dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em História da UFGD. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando nos seguintes temas: movimentos sociais do campo, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), reforma agrária, luta pela terra, história e representações, história e imprensa, história cultural, história do/no tempo presente. Coordenador do Laboratório de Ensino de História da UFGD (LABhis). Atuou como Coordenador de Área do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/UFGD – História, 2016-2018). Membro do Laboratório de Estudos sobre Democracia e Marxismo da Faculdade de Ciências Humanas da UFGD (LEDEMA/FCH).

FERNANDO PERLI
Doutor em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Assis). Pós-Doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), onde coordenou o Laboratório de Ensino de História (LABhis/UFGD) e o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/UFGD – História). Atualmente, é coordenador do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFGD). Tem experiência na área de História, com ênfase em representações sociais e políticas, desenvolvendo projetos de ensino/pesquisa sobre meios de comunicação e movimentos sociais; divulgação histórica; leituras do passado; lugares de memória; cultura histórica e ensino de história.

MARCO ANTONIO MITIDIERO JUNIOR
Doutor em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana da Universidade de São Paulo (USP). Possui Pós-Doutorado na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e Pós-Doutorado na Universidad de Santiago de Compostela (Santiago/Espanha). Professor do Departamento de Geociências e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Tem experiência de pesquisa/ensino nas seguintes áreas: questão agrária; movimentos sociais rurais; assentamentos rurais; luta pela terra; territórios, políticas e conflitos territoriais; reforma agrária.

CLAUDEMIR MARTINS COSME
Doutorando em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Pernambuco (PPGEO/UFPE). Mestre em Geografia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professor de Geografia do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas – Campus Piranhas. Pesquisador membro do Laboratório de Pesquisas e Estudos sobre o Espaço Agrário e Campesinato e do Núcleo de Agroecologia, ambos do PPGEO/UFPE. Pesquisa na área da Geografia Humana, com interesse nas seguintes temáticas: história e epistemologia da ciência geográfica; questão agrária; campesinato; conflitos no campo; movimentos sociais do campo; assentamentos rurais; reforma agrária; agroecologia; governo e Estado.

DJONI ROOS
Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Presidente Prudente). É graduado e mestre em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Professor adjunto da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Marechal Cândido Rondon onde trabalha no curso de Graduação em Geografia e nos Programas de Pós-Graduação em Geografia (PPGG) e, em Desenvolvimento Rural Sustentável (PPGDRS). Foi secretário da Diretoria Executiva Nacional da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) entre 2008 e 2010. Editor geral da Revista NERA no período de 2011 a 2015. Pesquisador dos grupos de pesquisa: Geografia das Lutas no Campo e na Cidade/GEOLUTAS (UNIOESTE), Observatório da Questão Agrária no Paraná (UEL) e Rede Dataluta (UNESP). É Coordenador do Laboratório de Geografia das Lutas no Campo e na Cidade (GEOLUTAS). Desenvolve projetos de pesquisa e extensão com ênfase em temas como: questão agrária, reforma agrária, campesinato, conflitos no campo, disputas pelo território e assentamentos rurais.

RODRIGO SIMÃO CAMACHO
Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Presidente Prudente). Realizou Pós-doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS/Três Lagoas). É graduado e mestre em Geografia pela UFMS. Docente do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDUC) da Faculdade Intercultural Indígena (FAIND) na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da UFGD e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus de Três Lagoas. Membro do Laboratório de Estudos sobre Democracia e Marxismo (LEDEMA) – FCH/UFGD. Dos grupos de pesquisa do CNPq: Estudos Agrários – UFMS; Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Inclusiva (GEPEI) – UFGD; Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (NERA) – UNESP. Atuou como Coordenador da Área de Ciências Humanas no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID Diversidade/UFGD – 2015-2018). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Agrária, Prática de Ensino em Geografia e Educação do Campo, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Geografia nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Educação do Campo; Questão Agrária; Territórios Camponeses; Movimentos Socioterritoriais Camponeses; Disputas Territoriais no Campo e Territórios Paradigmáticos da Geografia Agrária Brasileira.

JOSÉ SOBREIRO FILHO
Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Presidente Prudente). Professor do curso de Geografia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPA. Membro do conselho da seção Food, Agriculture and Rural Studies da Latin American Studies Association (LASA). Líder do Núcleo de Estudos Agrários sobre Espaço, Desenvolvimento e Conflito (NEADEC). Coordenador da Categoria de Movimentos Socioterritoriais da Rede DATALUTA. Membro do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (NERA). Dedica-se ao estudo de Movimentos Sociais, Confrontos Políticos e Questão Agrária na América Latina.

ADOLFO OLIVEIRA NETO
Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp/Presidente Prudente). Professor da Universidade Federal do Pará (UFPA) e membro do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP). Líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Geografia nos Países Subdesenvolvidos (GPEG/CNPQ). Coordenador do Curso de Graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia com ênfase em Desenvolvimento Territorial Rural, oferecido em parceria entre a UFPA e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), através do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA). Dedica-se à Questão Agrária e ao Ensino de Geografia, em especial, na educação do campo na Amazônia.