Capa do livro: O LABIRINTO DE DÉDALOS: <br>a ideia de mundo como horizonte da existência humana

O LABIRINTO DE DÉDALOS:
a ideia de mundo como horizonte da existência humana

Autores: Edison Bariani Junior

livro impresso
de R$ 52,90 por
livro digital
de R$ 52,90 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

O que é o mundo? Como ele se constitui? É possível conhecê-lo? Por quais meios? Estas e outras questões permeiam as inquietações deste livrinho, que rastreia uma certa tradição do pensamento ocidental na ânsia de apreender o significado do lócus da existência humana e suas implicações na compreensão da vida. A ideia – e não o conceito – de mundo estaria assim imbricada à vida (tanto individual quanto coletiva) e às correspondentes visões de mundo, cuja influência afeta a concepção racional dos homens a respeito da sua existência localizada. Entretanto, seria a vida e o mundo passíveis de um aprisionamento conceitual pela ciência? Podemos conhecer racionalmente a vida? O mundo pode ser cientificamente explicado? Pode a ciência nos dizer como viver? O que sobraria de inexplorado no mundo se as ciências humanas, principalmente a sociologia, declararam a sociedade objeto mapeado da ciência? A sociedade é o mundo? Mundo e sociedade se equivalem ou se identificam? Dentre tantos questionamentos, este livrinho procura fugir às pretensões da asserção, mas compromete-se profundamente com a dúvida.  

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-2761-3
DOI: 10.24824/978854442761.3
Ano de edição: 2018
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 154
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

O LABIRINTO DE DÉDALOS: <br>a ideia de mundo como horizonte da existência humana

Autores

EDISON BARIANI JUNIOR
Doutor e pós-doutor em Sociologia, endereço eletrônico  edisonbariani@gmail.com. É autor dos livros Administração pública no Brasil: breve história política (com Christina W. Andrews), A sociologia no Brasil: uma batalha, duas trajetórias (Florestan Fernandes e Guerreiro Ramos), Guerreiro Ramos e a redenção sociológica: capitalismo e sociologia no Brasil, Uma sociologia abortada: Tobias Barreto e a crítica da sociologia no Brasil e A sociedade como ficção: romance e interpretação social no Brasil do século XIX.