Capa do livro: REPRESENTAÇÃO LITERÁRIA DA ESCRAVIDÃO NA CONTÍSTICA MACHADIANA

REPRESENTAÇÃO LITERÁRIA DA ESCRAVIDÃO NA CONTÍSTICA MACHADIANA

Autores: João Irineu de França Neto

livro impresso
de R$ 38,90 por
livro digital
de R$ 38,90 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

Realizamos neste livro uma análise crítica dos contos machadianos, partindo de contribuições sociológicas acerca do fenômeno da escravidão, evidenciando-a nos fatores estéticos da linguagem que constituem essas obras literárias. Aparecem materializadas esteticamente ambiguidades de visões acerca do poder no sistema escravista brasileiro: ora esse poder é legitimado, ora esse poder é denunciado, em virtude da polifonia das vozes que constroem o discurso literário nos contos. Assim sendo, analisamos a relação dialética entre os estereótipos do negro na sociedade escravocrata do Brasil no século XIX e os recursos formais do texto machadiano, por meio dos quais é representada a escravidão de negras e negros.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-2938-9
DOI: 10.24824/978854442938.9
Ano de edição: 2018
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 156
Formato do Livro: 14x21 cm
Número da edição:1

Sumário

REPRESENTAÇÃO LITERÁRIA DA ESCRAVIDÃO NA CONTÍSTICA MACHADIANA

Autores

JOÃO IRINEU DE FRANÇA NETO
Possui Pós-Doutorado em Dialetologia pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL), Doutorado em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Mestrado em Letras UFPB, Especialização em Psicopedagogia Institucional pela Faculdade Atlântico, Graduação em Letras pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Graduação em Psicologia pelo Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ). Atualmente, é professor de linguística da UEPB. Tem experiência nas áreas de Linguística Antropológica, Sociolinguística, Dialetologia, Análise do Discurso, Leitura e Produção de Textos e Literatura Popular. Presta assessoria político-pedagógica a movimentos populares e associações comunitárias, bem como às comunidades quilombolas da Paraíba.