Capa do livro: BIOPOLÍTICA E TANATOPOLÍTICA: <br> a agonística dos processos de subjetivação contemporâneos

BIOPOLÍTICA E TANATOPOLÍTICA:
a agonística dos processos de subjetivação contemporâneos

Autores: Flávia Cristina Silveira Lemos - Maria Lívia do Nascimento (Orgs.)

livro impresso
de R$ 75,90 por
livro digital
de R$ 75,90 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

O livro é uma coletânea internacional, apresenta resultados de pesquisas, ensaios temáticos e teóricos, abordando aspectos e acontecimentos heterogêneos e singulares das práticas biopolíticas e tanatopolíticas, na sociedade contemporânea. Os textos são extremamente atuais, consistentes e trazem ao leitor um conjunto de problematizações relevantes para os estudos de judicialização, medicalização e das resistências no plano das agonísticas da história do presente. 

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-3440-6
DOI: 10.24824/978854443440.6
Ano de edição: 2019
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 406
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

BIOPOLÍTICA E TANATOPOLÍTICA: <br> a agonística dos processos de subjetivação contemporâneos

Autores

ACÁCIO AUGUSTO
Professor substituto no Depto de Política da Faculdade de Ciências Sociais PUC-SP. Pesquisador no Nu-Sol (www.nu-sol.org), desde 2002. Graduou-se em Ciências Sociais na PUC-SP em 2006, quando concluiu a pesquisa de Iniciação Científica, com bolsa CNPq, Cruz negra Anarquista (CNA). Embates com o sistema penal: controle e experimentações de liberdades, premiada como melhor trabalho de iniciação científica no Departamento de Política. Em 2009 apresentou dissertação de mestrado que situa a expansão da polícia como instituição repressiva e exercício da vida-cidadã, com bolsa CNPq. Desenvolve pesquisa de doutorado sobre anarquismos e resistências contemporâneas. É professor no curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina (FASM). Escreveu aulas-teatro em parceria com Edson Passetti e foi um dos roteiristas da série “Os insurgentes” (Nu-Sol/TVPUC-CNU). Publicou em 2008, “Anarquismos e educação” em coautoria com Edson Passetti, pela Editora Autêntica de Belo Horizonte. É membro do corpo editorial da Revista Verve. Atua, desde 2010, como pesquisador assistente do Projeto Temático FAPESP Ecopolítica (www.pucsp.br/ecopolitica). Em 2013 lança o livro, resultado de pesquisa de mestrado, “Política e polícia: controles, cuidados e penalizações de jovens”, pela editora Lamparina do Rio de Janeiro.

ALCINDO ANTÔNIO FERLA
Possui graduação em medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Atualmente é Professor Associado da Escola de Enfermagem na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atuando no Curso de Bacharelado e no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Também atua como pesquisador no Núcleo de Educação, Avaliação e Produção Pedagógica em Saúde (EducaSaúde) do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, como professor no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Social da Universidade Federal do Pará (UFPA), como professor no Mestrado Profissional em Saúde da Família da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), como pesquisador visitante do Centro de Pesquisa Leônidas e Maria Deane da Fundação Oswaldo Cruz/FAPEAM e como pesquisador visitante na Alma Mater Studiorum – Università Di Bologna / Centro de Saúde Internacional e Intercultural. Líder do Grupo de Pesquisas Rede Internacional de Políticas e Práticas de Educação e Saúde Coletiva (Rede Interstício). Tem experiência nas áreas de Saúde Coletiva e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: integralidade em saúde, informação e comunicação em saúde, atenção à saúde, educação permanente em saúde, educação e saúde, trabalho em saúde, modelagens tecnoassistenciais em saúde e saúde suplementar.

ALDEMAR FERREIRA DA COSTA
Graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação (VIESES/UFC), cadastrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPq. Extensionista no projeto Re-Tratos da juventude, cujo intuito é o de criar intervenções micropolíticas em territórios da cidade de Fortaleza em torno da questão dos processos de subjetivação juvenis e dos direitos humanos de juventudes, numa perspectiva transdisciplinar e intersetorial, por meio de um conjunto de ações processuais de caráter grupal. Foi bolsista de Iniciação à Docência da Universidade Federal do Ceará (PID/PROGRAD/UFC) em 2017 e 2018, integra a pesquisa guarda-chuva intitulada: Juventude e violência urbana: cartografia de processos de subjetivação na cidade de Fortaleza-CE. Dedica-se aos seguintes temas, a partir de interlocuções com autores(as) da Psicologia Social que mantêm conversações com Foucault, Deleuze, Guattari, Butler, Mbembe e outros(as) que seguem caminhos investigativos semelhantes: violência e modos de subjetivação infantojuvenis na contemporaneidade, biopolítica, governamentalidade e processos de criminalização e extermínio de jovens no Brasil, direitos humanos, pesquisa-intervenção e cartografia de processos psicossociais contemporâneos nos campos das Políticas Públicas.

ANTONIO ALVES FILHO
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN (1993) e mestrado em Administração (1999) e doutorado em Psicologia (2012) também pela UFRN. De 2009 a 2013 foi professor adjunto da Universidade Federal de Alagoas – UFAL, no curso de Psicologia. A partir de dezembro de 2013, passou a ser professor adjunto do Departamento de Ciências Administrativas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Na Psicologia atua na área da Psicologia do Trabalho e das Organizações, com ênfase em Fatores Humanos no Trabalho. Na Administração atua na área de Gestão de Pessoas. Em ambas as áreas, tem interesse por temas como motivação, condições e significado do trabalho, saúde do trabalhador, desenvolvimento de equipes e inclusão no trabalho. desde 2014 é docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública, UFRN.

CAMILA DOS SANTOS LEONARDO
Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Participa como membro do Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação (VIESES/UFC) que é cadastrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPq. Atualmente é bolsista de Iniciação Científica da Universidade Federal do Ceará (PIBIC/CNPq). Integrante do projeto de extensão Liga de Direitos Humanos do Núcleo Cearense de Estudos e Pesquisas sobre a Criança (NUCEPEC/UFC). Foi bolsista do projeto de extensão Re-Tratos da Juventude (PREX/VIESES/UFC)

CANDIDA DANTAS
Possui graduação (2003) e mestrado (2007) em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, doutorado em Psicologia Social também pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2013) e pós-doutorado pela Universidade Federal do Ceará (2019). É Professora Adjunta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e membro permanente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFRN. Possui experiência acadêmica e em pesquisa em Psicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: relações de gênero, contextos de vulnerabilidade e políticas públicas.

CARLA CLAUBER DA SILVA
Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (2015). Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI, 2003). Especialista em Formação na Técnica de Grupo Operativo (1998-2000) e em Clínica Psicopedagógica (1994-1997), ambas no Centro de estudos psicopedagógicos de Curitiba e em Administração e Supervisão Escolar (1990-1991) na Universidade de Nova Iguaçu. Graduada em Pedagogia pela Associação Catarinense de Ensino? ACE (1990). Autora de várias publicações em periódicos, livros e capítulos de livros, destaque para: Uma educação pela infância: diálogo com o currículo do 1º ano do ensino fundamental (2009); Uma Alfabetização pela Infância (2004) e Arte Contemporânea e Educação Infantil (2017). Pesquisadora no Núcleo de Pesquisa em Arte na Educação (NUPAE), desde 2003. Atualmente é professora da Prefeitura Municipal de Joinville, com experiência na área de Educação, ênfase em Administração Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, formação de professores, ensino e aprendizagem e infância.

CÉLIA RATUSNIAK
Possui graduação em Psicologia pela Associação Catarinense de Ensino (2001) e em Pedagogia pela Univeridade do Contestado (2018). Especialização em Estudos da Mente e Neurociência Contemporânea pela PUC -PR (2005) e em Tecnologias e Educação à Distância. Mestre em Educação, linha de pesquisa Educação e Infância, na Universidade Federal de Santa Catarina (2012). Doutoranda em Educação, na linha de pesquisa Educação: Diferença, Diversidade e Desigualdade Social, da Universidade Federal do Paraná. Atua na área da Psicologia Escolar e Educacional e da Psicologia Social e Comunitária. Tem experiência na área de Psicologia, Educação e área Social, em produção de contextos que garantem o sucesso escolar, na área de Ensino na Educação Básica, atuando principalmente nos seguintes temas: relação ensino e aprendizagem, produção do sucesso escolar, relações de poder na escola, desigualdade de gênero, criminalização da pobreza, biopolítica e judicialização da educação. Pesquisadora do LABIN – Laboratório de Investigação de Corpo, Gênero e Subjetividades na Educação, cadastrado no CNPq e vinculado à UFPR. Realiza estágio de doutorado sanduiche na Université Lille 3, sob orientação do professor Philippe Sabot.

DAGUALBERTO BARBOZA DA SILVA
Graduando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação (VIESES/UFC), cadastrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPq. Extensionista no projeto Re-Tratos da juventude, cujo intuito é o de criar intervenções micropolíticas em territórios da cidade de Fortaleza em torno da questão dos processos de subjetivação juvenis e dos direitos humanos de juventudes, numa perspectiva transdisciplinar e intersetorial, por meio de um conjunto de ações processuais de caráter grupal. Atualmente é bolsista de Iniciação Científica da Universidade Federal do Ceará (PIBIC/CNPq/UFC), integrando a pesquisa guarda-chuva intitulada "Juventude e violência urbana: cartografia de processos de subjetivação na cidade de Fortaleza-CE. Dedica-se aos seguintes temas, a partir de interlocuções com autores da Psicologia Social que mantêm conversações com Foucault, Deleuze, Guattari e outros que seguem caminhos investigativos semelhantes: violência e modos de subjetivação infantojuvenis na contemporaneidade, biopolítica, governamentalidade e processos de criminalização e extermínio de jovens no Brasil, direitos humanos, pesquisa-intervenção e cartografia de processos psicossociais contemporâneos nos campos das Políticas Públicas.

DAVI CAVALCANTE ROQUE DA SILVA
Psicólogo doutor em políticas públicas e formação humana pela Universidade do estado do Rio de Janeiro (PPFH/UERJ), mestre em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGPS/2013) e graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004). Na atualidade é servidor estatutário do Centro Integrado de Saúde de Valença (CIS), vinculado à Secretaria Municipal de Saúde de Valença – RJ, e no ambulatório de saúde mental/Núcleo de Intervenção em Álcool e outras Drogas (NIAD) em Mendes. Como pesquisador é integrante do grupo de pesquisa Produção de Subjetividade e Estratégia de Poder no Campo da Infância e Juventudeque conta ainda com outros pesquisadores vinculados aos cursos de: graduação e pós-graduação, nas seguintes Universidades: UERJ, UFPA, UFF, UFRGS. Fazendo uso das referências teóricas-práticas da análise institucional e dos estudos de Foucault, Deleuze e Guattari, interessa-se especialmente pela temática do trabalho institucional do psicólogo em educação e saúde, e suas conexões com o campo da saúde mental, da psicossomática e da saúde do trabalhador.

DIEGO BRAGA MELO
Estudante de graduação em Psicologia da UFG, bolsista de iniciação científica – PIBIC-PROLICEN.

DOLORES CRISTINA GOMES GALINDO
Possui Pós-Doutorado (2015-2016), Doutorado (2006) e mestrado (2002) em Psicologia Social pela Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), com Doutorado Sanduíche na Universidade Autônoma de Barcelona (2004). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em 1999. Atua como Professora Permanente dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia e Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso. Foi vice-coordenadora e posteriormente Coordenadora do Programa de Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em Estudos de Cultura Contemporânea. Na graduação, atua como Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso (2013-2014). Lidera o Grupo de Pesquisa Ciências, Tecnologias e Criação (LABTECC). Foi da Diretoria Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social – ABRAPSO (2016-2017), Conselheira Alterna da ULAPSI (2016-2017) e integrou a Coordenação da Red Latinoamericana de posgrados en estudios sobre la cultura – ReLaPec (2014-2016). Compõe o GT Conhecimento, Subjetividade, Práticas Sociais da ANPEPP. Foi Vice-Presidente da Regional Centro-Oeste da Associação Brasileira de Psicologia Social – ABRAPSO (2012-2013) e Secretária (2014-2015). É membro associada da ESOCITE.BR – Associação Brasileira dos Estudos Sociais das Ciências e Tecnologias, da ABRAPSO – Associação Brasileira de Psicologia Social e SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Editora de seção da Athenea Digital: revista de pensamiento y investigacion Social (UAB- Espanha). Possui experiência em Psicologia como área interdisciplina, com o interesse de pesquisa voltado às epistemologias feministas em ciência, tecnologia e sociedade, em diálogo com estudos foucaultianos, orientadas à problematização de relações de poder, saber e colonialidades.

DOMENICO UHNG HUR
Professor Associado I-DE de graduação e pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Goiás. Graduado em Psicologia pela Universidade de São Paulo – USP, mestrado (2005) e doutorado (2009) em Psicologia Social pela USP, estágio doutoral na Universitat Autònoma de Barcelona (2008/2009) e pós-doutorado na Universidad de Santiago de Compostela (2017/2018). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Processos grupais e institucionais, atuando principalmente nos seguintes temas: Psicologia Política, Esquizoanálise, Análise Institucional & Psicanálise de Grupos. Membro do CRISE – núcleo de estudos e pesquisas Crítica, Insurgência, Subjetividade e Emancipação. Secretário de Pesquisas da Associação Ibero-Latinoamericana de Psicologia Política, AILPP, gestão 2018-2020. Professor visitante do programa de mestrado em Psicologia Social e de doutorado em Ciências Sociais da Universidad Pontifícia Bolivariana, Medellín/Colômbia. Coordenador do GT – Psicologia Política da ANPEPP. Bolsista de Produtividade em Pesquisa (PQ-2) do CNPq.

ÉRICA ATEM GONÇALVES DE ARAÚJO COSTA
Professora Adjunto do Departamento de Psicologia da UFC, campus Fortaleza (Psicologia nas instituições e processos grupais). Doutora e mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduada em Psicologia pela mesma Universidade. Foi professora efetiva do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará/Campus Sobral/CE, na área de Metodologia de pesquisa (2009-2011) e de Psicologia do desenvolvimento (2012-2018). Tem experiência nas áreas de Psicologia Escolar/Educacional. Membro do VIESES-UFC: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação, cadastrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPQ e do Programa de Extensão do Departamento de Psicologia da UFC, do qual faz parte como pesquisadora e orientadora de ações de extensão, relacionadas ao projeto de extensão Maquinarias: infâncias em invenção. Membro do Laboratório de Pesquisa da relação, Infância, Juventude e Mídia (LABGRIM), vinculado ao curso de Comunicação Social da UFC. É membro do GT/ANPEPP " Relações intergrupais: preconceito e Exclusão Social? Interesses de pesquisa: modos de subjetivação e infâncias, processos formativos escolares ou não e análise de práticas discursivas e não discursivas.

ESTELA SCHEINVAR
Graduação em Sociologia – Universidad Nacional Autonóma de Mexico (1983); mestrado em Sociologia – Universidad Nacional Autonóma de Mexico (1990); doutorado em Educação – Universidade Federal Fluminense (2001) e Pós-doutorado sob a supervisão do Professor Edson Passetti – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008). Professora associada do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana. Faculdade de Formação de Professores de São Gonçalo, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Experiência na área de Sociologia, com ênfase em educação, infância e juventude, atuando principalmente nos seguintes temas: biopolítica, escola, Estado de Direito, movimento social, conselho tutelar, Análise Institucional.

FABIO MARTINS
Mestrando em Psicologia e Sociedade UNESP.

FABIOLA COLOMBANI
Psicologia do Desenvolvimento, Teorias da Aprendizagem, Orientação de TCC, Psicologia Organizacional e Gestão de Pessoas. É membro da Associação do Fórum de Educação Infantil, do Núcleo Medicalização do Social no Contemporâneo, membro do GEPEES (Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Ética e Sociedade) e do grupo de pesquisa Desenvolvimento sociomoral de crianças e adolescentes. Atualmente é coordenadora e docente do curso de Psicologia da Faculdade Católica Paulista, psicóloga do NUAP (Núcleo de Atendimento Psicológico) da mesma faculdade e Psicóloga efetiva da ESF da Prefeitura Municipal de Campos Novos Paulista. Tem experiência na área de Psicologia Social, Clínica e Educacional, com ênfase em Infância, Educação e Família, atuando e pesquisando principalmente nos seguintes temas: psicologia escolar e da aprendizagem, medicalização, ética, moral e educação.

FERNANDA TEIXEIRA BARROS NETA
Psicóloga, formada pela Universidade Federal do Pará, doutoranda em Psicologia Social e Clínica pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFPA, mestre em Psicologia Social e Clínica pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFPA pela linha Subjetividade, Sociedade e Saúde. Trabalha como psicóloga no Centro de Apoio Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSi). Participa da Comissão de Gênero do Conselho Regional de Psicologia, CPR10, e do grupo de estudos Transversalizando. Tem como interesse de estudos temas transversais como infância, juventude, violência, políticas públicas, direitos humanos, inclusão, justiça, educação, Michel Foucault, Paulo Freire, Carl Rogers, outros.

FLÁVIA CRISTINA SILVEIRA LEMOS
Possui graduação em Psicologia/UNESP (1999). Licenciada em Pedagogia/CESB-GO (2017). Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional/UNEB (2017). Mestre em Psicologia e Sociedade/UNESP (2003). Doutora em História Cultural/UNESP (2007). Realizou pós-doutorado em Psicologia e Subjetividade, na UFF, sob supervisão da Profa. Dra. Maria Lívia Nascimento, em 2016. Foi bolsista FAPESP no Doutorado. É professora associada II, na Graduação e no Programa de Pós-graduação em Psicologia/UFPA. Foi professora colaboradora no Programa de Pós-graduação em Educação/UFPA. Integra a Comissão de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia (2017-2019). Integrante do Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade. Foi Conselheira Titular no Conselho Federal de Psicologia (gestão 2011-2013). Foi coordenadora do Programa de Pós-graduação em Psicologia/UFPA (gestão 2011-2013). Foi vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Psicologia/UFPA (gestão 2010-2011). É Bolsista de Produtividade do CNPQ-PQ-2, desde 2013. Integra o GT ANPEPP Psicologia Política. Compõe o GT Deleuze da ANPOF. Foi membro da Diretoria Nacional da ABRAPSO (2016-2017). Integra a Diretoria Nacional da ABEP (2017-2019). É associada à: ABRAPSO, ABRAPEE e ABEP. Participa do Grupo Produção de subjetividade e estratégias de poder no campo da infância e juventude. Coordena o Grupo: Transversalizando. Realiza estudos sobre: Modos de subjetivação contemporâneos, práticas de medicalização e judicialização da vida; Psicologia, justiça e políticas públicas; Recepção sócio-histórica de Michel Foucault no Brasil; Subjetividade e filosofia da diferença; Psicologia, formação, epistemologia e história; Cidade, cultura e subjetividade; Dispositivo clínico, saúde mental e direitos. Realiza estudos sobre Deleuze, Foucault e Guattari, em Esquizoanálise, Filosofia da Diferença e Arqueogenealogia.

FLÁVIO VALENTIM DE OLIVEIRA
Bacharel e licenciado pleno em FILOSOFIA – UFPA (1999). Especialista em Filosofia e Ciências Humanas – UFPA (2001). Mestre em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (2009). Doutor em Educação pela UFPA com estágio doutoral no departamento de história, filosofia e patrimônio da ciência e da tecnologia na faculdade de ciências e tecnologia da Universidade Nova de Lisboa-Portugal. Atualmente é professor de filosofia da Universidade da Amazônia e do ensino médio SEDUC-Pa. Tem experiência de docência e pesquisa na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia Contemporânea, atuando principalmente nos temas da ética e estética; filosofia e literatura em Kafka, Nietzsche, Foucault, Walter Benjamin e T.W. Adorno; pesquisas em epistemologia e educação, filosofia da animalidade e projetos de incentivo à leitura com jovens da educação básica.

GEISE DO SOCORRO LIMA GOMES
Possui graduação em Formação em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (2008), graduação em Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (2008), graduação em Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (2007), mestrado em Psicologia – Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Pará (2011) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Pará (2017). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho forçado, foucault, governamentalidade, biopoder e formação em psicologia. Atuou como conselheira no Conselho Regional de Psicologia durante a gestão 2013-2016.

GIOVANNA MARAFON
Professora do Departamento de Ciências e Fundamentos da Educação (área: Psicologia e Educação) na Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF) e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana (PPFH) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Pós-doutorado em Educação PUC-Rio (2015). Doutorado em Psicologia – Estudos da Subjetividade – UFF (2013). Mestrado em Educação UNIRIO (2006). Graduação em Psicologia UFSC (2004). Realiza pesquisa sobre feminismos periféricos, em perspectiva interseccional, e coordena projeto de extensão universitária que problematiza as deficiências e repensa estratégias de inclusão e mediação educacionais. Temas de produção e interesse: medicalização e judicialização da infância e da educação; feminismos e estudos de gênero; estudos da deficiência; narrativas, ocupações estudantis e liberdades.

INGRID SAMPAIO DE SOUSA
Graduanda em psicologia na Universidade Federal do Ceará, Membro do Círculo de Pesquisa e Lógica em Epistemologia das Psicologias (CPLEP), coordenado pelo Prof. Dr. Ricardo Lincoln Laranjeira Barrocas e Membro da formação básica do Corpo Freudiano Escola de Psicanálise, sessão Fortaleza.

JÁDER FERREIRA LEITE
Graduado em Psicologia pela Universidade Estadual da Paraíba (1998); mestrado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003), doutorado em Psicologia Social pela UFRN (2008) e estágio pós-doutoral junto ao Núcleo de Psicologia Comunitária (NUCOM) da UFC (2014). É professor associado I, vinculado ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, com atuação na graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado). Presidente da Associação Brasileira de Psicologia Política (Gestão 2017 – 2018), coordenador e membro do GT Saúde Comunitária da ANPEPP (2017-2018). Atua no campo da Psicologia social e política a partir dos temas: movimentos sociais e relações de gênero em contextos rurais.

JÉSSICA SILVA RODRIGUES
Graduada em psicologia em 2015 pela Universidade Federal do Ceará (UFC). É Especialista em Saúde Mental pelo programa de Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará (RIS – ESP/ CE) concluído em 2017. Tem experiência de trabalho em CAPS Geral e AD, com ênfase em ações de Redução de Danos junto à população de Rua realizadas no projeto “Residência na Rua: Arte, Cultura e Saúde” e na área de Psicologia Comunitária. Atuou principalmente nos seguintes temas: Saúde Mental, Drogas e Saúde Pública. Atualmente, é mestranda em psicologia pela UFC discutindo eixos como: Juventudes, Violência e modos de subjetivação.

JOÃO PAULO PEREIRA BARROS
Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da UFC. É coordenador do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), tendo sido vice coordenador do Programa entre 2017 e 2018, onde participa tanto do curso de mestrado quanto no de doutorado. Membro do Colegiado da Coordenação do Curso de Psicologia da UFC, sendo vice coordenador da unidade curricular; Processos Psicossociais;. Doutor em Educação, mestre e graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em Saúde Mental pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Foi professor efetivo do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI), na área de Psicologia e Saúde Coletiva. Tem experiência nas áreas de Psicologia Social/Psicologia Comunitária, Psicologia Escolar/Educacional e no campo da Saúde Coletiva/Saúde Mental. Lider do VIESES-UFC: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação, cadastrado no diretório de grupos de pesquisa do CNPQ e como Programa de Extensão do Departamento de Psicologia da UFC. É membro do GT/ANPEPP; Territorialidades, Violências, Políticas e Subjetividades. Dedica-se aos seguintes temas, a partir de interlocuções da Psicologia Social com autores como Foucault, Deleuze, Guattari, Mbembe,, Butler, Agamben, Arendt e Wacquant: violência e modos de subjetivação juvenis na contemporaneidade; biopolítica, necropolítica, governamentalidade e processos de criminalização e extermínio de jovens no Brasil; práticas sociais/institucionais e micropolítica; arquegenealogia da socioeducação; pesquisa-inter(in)venção e cartografia de processos psicossociais contemporâneos; violência escolar e bullying como dispositivo analisador; formação e atuação da psicologia em políticas sociais com foco em estratégias intersetoriais frente às violências.

JOÃO PAULO SALES MACEDO
João Paulo Macedo é Professor Adjunto IV da Universidade Federal do Piauí/UFPI. Graduado em Psicologia pela Faculdade Santo Agostinho (2004), Mestre (2007) e Doutor (2011) em Psicologia pela UFRN. Está vinculado aos Programas de Pós-graduação em Psicologia e em Políticas Públicas da UFPI, orientando alunos de mestrado e doutorado. Atua na área da Saúde Coletiva e Saúde Mental, com foco na formação e prática do psicólogo nas políticas públicas e aspectos relacionados à interiorização da profissão e atuação em contextos rurais. É membro do GT/ANPEPP “Políticas de subjetivação e invenção do cotidiano”. Faz parte da Diretoria da Associação Brasileira de Psicologia Política (Biênio 2017-2018), no cargo de vice-presidente da Regional Nordeste. Bolsista PQ 2 do CNPq.

JORGE RAMOS DO Ó
Jorge Ramos do Ó é Professor Associado no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e professor convidado na Universidade de São Paulo, onde tem lecionado sobretudo nas áreas da história da educação, história cultural e teoria do discurso. As suas publicações incluem estudos em história cultural e política, com ênfase particular no período do Estado Novo (1933-1974), bem como em história da educação e da pedagogia em Portugal, analisadas numa longa cronologia (séculos XIX e XX). Para além de diversos artigos, comunicações e trabalhos em coautoria, tanto em revistas científicas como em monografias, publicou os seguintes livros: O lugar de Salazar: Estudo e Antologia, 1990, Os anos de Ferro: O Dispositivo Cultural durante a política do Espírito(1933-1949), 1999, O Governo de si mesmo: Modernidade Pedagógica e Encenações Disciplinares do aluno Liceal (último quartel do século XIX ? meados do século XX), 2003, Modernidade Pedagógica: Estudos Comparados Portugal-Brasil (1820-1960), 2008, e Ensino Liceal (1836-1975), 2009. Coordenou projetos de investigação financiados por instituições como a Casa Pia de Lisboa, o Ministério da Educação e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia. É o editor da Sisyphus – Journal of Education.

KÁROL VEIGA CABRAL
Psicóloga, Psicanalista, Doutora em Antropologia pela Universitat Rovira i Virgili, Pós-doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Pará

KASSIA DE OLIVEIRA MARTINS SIQUEIRA
Doutora (2017) e mestre (2011) em Políticas Públicas e Formação Humana pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduada em Serviço Social (2007) e especialista em Serviço Social e Saúde (2009) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tecnologista Pleno do INCA. Pesquisadora do Núcleo de Estudo e Pesquisa sobre Deslocados Ambientais – NEPDA/UEPB, na Linha de pesquisa Migrantes forçados e refugiados. Atua principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas, Saúde Pública, Assistência Social, Migrações ambientais, Infância e Juventude.

LAILA MARIA DOMITH VICENTE
Possui Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense – UFF (2015); Master em Teoria Crítica e Estudos Museísticos pelo PEI – Programa de Estudios Independientes del MACBA – Museo d`Art Contemporani de Barcelona e pela UAB – Universitat Autònoma de Barcelona (2015); Mestrado em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense – UFF (2007) e Graduação em Direito pela Faculdade de Direito de Vitória – FDV (2004). Atualmente é Professora da UNESA – Universidade Estácio de Sá do Rio de Janeiro, é Coordenadora do Laboratório de Direito/Núcleo de Prática Jurídica do campus Niterói e Coordenadora Adjunta do curso de Direito da UNESA no campus Presidente Vargas, Rio de Janeiro. Atua principalmente nos seguintes temas: Estudos de Gênero e Sexualidades, Estudos da Subjetividade, interfaces diversas com o Direito, o Estado e o Cinema/Audiovisual. Atualmente é Pesquisadora e Bolsista Produtividade pela UNESA.

LENA IÓRIO DIAS
Estudante de graduação de Psicologia na Universidade Federal do Ceará. Graduada em Nutrição pela Universidade Estadual do Ceará (2007), com aperfeiçoamento em Nutrição Clínica (2010), também pela UECE.

LÍVIA GOMES DOS SANTOS
Professora adjunta da Universidade Federal Goiás. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2007), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2010) e doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2015), com período sanduíche na Universidad Autonoma de Madrid (2014-2015). É membro da Abrapso (Associação Brasileira de Psicologia Social) e tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, trabalho, inconsciente, trabalhador desempregado, consciência e emoção.

LORENA CUNHA DE SOUZA
Psicóloga, graduada pela Universidade Federal do Pará (2013). Especialista em Avaliação de Serviços de Saúde pela Universidade Federal Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – UNA-SUS (2015). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia, linha de pesquisa “Psicologia, Sociedade e Saúde”. Trabalhou como avaliadora do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) 2º Ciclo em 2014. Participa do grupo de estudos Transversalizando e Saúde na Amazônia. Interessa-se por temas relacionados à atenção báica, saúde mental, medicalização, psicologia social, violência contra a mulher, relações raciais, dentre outros.

LORRANA CALIOPE CASTELO BRANCO MOURÃO
Formada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará, linha Cultura e Sujeito na Contemporaneidade. Membro da Unesco Chair on Critical Heritage Studies and Safeguarding the Intangible Cultural Heritage na Vrije Universiteit Brussel. Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará, linha Cultura e Sujeito na Contemporaneidade. Atualmente está desenvolvendo Joint Ph.D. (Doutorado Co-Tutela) na Vrije Universiteit Brussel (VUB). Tem experiência na área de Psicologia com ênfase em estudos de Educação, Cultura e Psicologia.

LUCIANA LOBO MIRANDA
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (1992), mestrado em Psicologia (Psicologia Clínica) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1996) e doutorado em Psicologia (Psicologia Clínica) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2002) com Estágio doutoral no Programa de Ciência da Educação em Paris 8, França. Atualmente é Professora Associada IV do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFC. Estágio Pós-doutoral no Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da City University of New York (GC- CUNY). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social e Psicologia Educacional/ Escolar, atuando principalmente no seguinte tema de pesquisa: pesquisa-intervenção, subjetividade, educação e mídia. Coordena o Programa de Extensão: “É da Nossa Escola que Falamos”. Bolsista Produtividade CNPq. Nível 2.

MAGDA DIMENSTEIN
Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN (Aposentada). Graduada em Psicologia pela UFPE (1986), Mestre em Psicologia Clínica pela PUC/RJ (1994) e Doutora em Saúde Mental pelo Instituto de Psiquiatria da UFRJ (1998). Realizou estágio Pós-Doutoral em Saúde Mental na Universidad Alcalá de Henares (Espanha/2010) e em Saúde Coletiva no Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da UFC (2017). Fez parte da diretoria da ANPEPP (Gestão 2016-18), no cargo de Presidente. Atua na área de saúde coletiva com ênfase em saúde mental, atenção primária e psicossocial, em cenários urbanos e rurais. Está vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFRN, orientando em nível de mestrado, doutorado e pós-doutorado. Faz parte do grupo de pesquisa Modos de subjetivação, Políticas Públicas e Contextos de Vulnerabilidades? (diretório de GP/CNPq). Bolsista PQ1A/CNPq. É membro do GT/ANPEPP Políticas de subjetivação e invenção do cotidiano.

MÁRCIO MARIATH BELLOC
Psicólogo, Psicanalista, Doutor em Antropologia pela Universitat Rovira i Virgili, Professor do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Pará.

MARIA LAÍS DOS SANTOS LEITE
Doutoranda em Psicologia (2018-em andamento) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Mestra em Desenvolvimento Regional Sustentável (2014-2016) pela Universidade Federal do Cariri – UFCA. Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário Leão Sampaio – UniLeão (2008-2012) com bolsa pelo ProUni – Programa Universidade para Todos. Servidora técnico-administrativa da Universidade Federal do Cariri, onde exerceu de fevereiro de 2016 a junho de 2017 a função de Coordenadora de integração e articulação com a comunidade da Pró-Reitoria de Extensão. Desde novembro de 2016 trabalha como Consultora-gerente e Coordenadora de Formação Acadêmica da Consultoria Acadêmica SOS Pesquisador(a). Tem atuado principalmente na pesquisa e extensão universitária na área de Psicologia Social e Comunitária e suas articulações com políticas públicas, agricultura familiar e economia solidária.

MARIA LÍVIA DO NASCIMENTO
Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília (1974), mestrado em Psicologia pela Universidade de Brasília (1978) e doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1990). Atualmente é professa titular da Universidade Federal Fluminense. Bolsista Produtividade em Pesquisa CNPq. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Exclusão Social, atuando principalmente nos seguintes temas: produção de subjetividade, infância e adolescência, psicologia e judiciário, judicialização da vida.

MARIANA MACHADO RODRIGUES
Estudante de graduação em Psicologia da UFG. Realiza iniciação científica – PIVIC e participa de extensão – PROVEC.

MORGANA MOURA
Graduada em Psicologia pela UFMT, Campus Universitário de Rondonópolis. Mestre em Psicologia Social pela PUC São Paulo. Doutoranda em Estudos de Cultura Contemporânea pela UFMT, vinculada ao grupo de pesquisa Laboratório de tecnologia, ciência e criação (LabTecc). Pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos sobre Drogas da Universidade Federal do Ceará. Conselheira-presidente do Conselho Regional de Psicologia da 18ª região (MT), gestão 2016-2019, também coordena a comissão de saúde do CRP18. Conselheira do CONESD – MT (Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas). Atua como psicóloga clínica e como docente pela Escola de Conselhos do estado de Mato Grosso e pela Escola de Saúde Pública de Mato Grosso, com experiência de atuação nos serviços socioassistenciais e na atenção em saúde mental. Em pesquisa se relaciona com os seguintes temas:processos psicossociais e medicalização, saúde mental, redução de danos no uso de drogas, psicologia e arte contemporânea, psicologia política e resistências indígenas.

NAYARA OLIVEIRA FEITOSA
Estudante de graduação em Psicologia da UFG, bolsista de iniciação científica – PIBIC-PROLICEN.

NORMA DEL RÍO LUGO
Norma Del Río Lugo is a researcher and professor of Psychology in the Department of Education and Communication at the Metropolitan Autonomous University-Xochimilco (UAM) in Mexico City. Del Río is cofounder and current director of the Interdisciplinary Research Program on Childhood at UAM, a key institution in CWI. Among the books she has edited are: Niñez y juventud: dislocaciones y mudanzas (UAM-CWI, 2007), Jóvenes comprometidos en América (UAM, 2007) and Children in a Globalizing World: Increased Vulnerability of Mexican Children (UAM-UNICEF, 2002). She holds an MA from El Colegio de Mexico in linguistics and in Neurological Rehabilitation from UAM. Her main lines of research are: Early detection of hearing loss; Inclusive education for deaf children and youth; Use of Multimedia technology in elementary indigenous schools to promote reflection and writing in indigenous language (Additive Bilinguism); Intercultural Education with migrant agricultural childworkers and non worker schoolchildren; Social Participation of urban youth. Recently, she has been consulted by different Official Education Departments for the assessment of the impact of early education compensatory programs, and as expert on children and youth with disabilities for the curricula design and the allocation of human and technological resources that may increase access for the online postsecondary course for deaf youth.

PAULO DE TARSO RIBEIRO DE OLIVEIRA
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (1988), Mestrado em Saúde Pública – Ensp (1998) e Doutorado em Saúde Pública – Ensp (2005). Atualmente é professor Associado II da Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Saúde Coletiva e Psicologia, em que atua nos seguintes campos do conhecimento: saúde do trabalhador, sofrimento psíquico, análise institucional, política de saúde e monitoramento e avaliação. É membro da Abrasco-Associação Brasileira de Saúde Coletiva e Diretor da Rede Unida. Participa do Conselho Editorial da Revista Saúde e Debate e é membro do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde – CEBES e membro do GT da ANPPEP de Psicodinâmica do Trabalho. É Coordenador da Rede Unida/ Região Norte e Coordenador do Programa de Pós-Graduação da UFPA.

RAFAEL COELHO RODRIGUES
Psicólogo. Professor Adjunto do Centro de Ciências da Saúde – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB. Pós-doutorado em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense/UFF. Doutor em Psicologia/UFF. Mestrado em Psicologia – Universidade Federal Fluminense. Autor dos livros: O Estado Penal e a Sociedade de Controle: O Programa Delegacia Legal como Dispositivo de Análise (ed. Revan, 2009) e Juventude como capital (Ed. Juruá, 2014). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Produção de Subjetividade e Estratégia de Poder no campo da infância e da juventude (UERJ) e do Grupo de Pesquisa Saúde, Organizações e Trabalho (SORT/UFRB) e integrante do Centro de Referência Regional em Educação Permanente em Crack, Álcool e outras drogas (CRR/UFRB). Foi representante do Conselho Regional de Psicologia (CRP/05) no Comitê Estadual de Prevenção e Combate a Tortura da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Atuou como consultor de pesquisa para Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República em projeto de Cooperação com a UNESCO. Como membro da Coordenação Executiva do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis, dentre outras atividades, coordenou a equipe de assessoria técnica para a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos da Presidência da República, assim como, o Centro de Referência em Direitos Humanos. Foi representante do CDDH junto a Rede Latino-americana Terra do Futuro e na Rede de Discussão sobre Políticas Públicas e Práticas de Cuidado para usuários de drogas do município de Petrópolis. Atualmente pesquisa temas como a genealogia das práticas psi no campo social com ênfase nas áreas da saúde e as possibilidades de resistência a partir de uma clínica de território.

RAUL ARAGÃO MARTINS
Graduado em Psicologia pela Centro Universitário Salesiano de São Paulo – UNISAL (Câmpus de Lorena) (1977), Mestre (1986) e Doutor (1991) em Psicologia pela Fundação Getúlio Vargas – RJ. Livre-Docente em Psicologia da Educação pela Universidade Estadual Pulista – UNESP (2006). Atualmente é professor adjunto do Dept. Educação do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista – IBILCE/UNESP (Campus de São José do Rio Preto). Credenciado como orientador e docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP (Campus de Marília) e do Programa de Pós-Graduação Ensino e Processos Formativos do IBILCE, FEIS e FCAV da UNESP. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Desenvolvimento Social e da Personalidade, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento sociomoral, uso de álcool e outras drogas por adolescentes, desenvolvimento infantil, educação infantil e crianças e adolescentes em vulnerabilidade social.

RAYANE NEVES SILVA
Estudante de graduação em Psicologia da UFG, bolsista de extensão universitária – PROBEC.

ROBERTA BARBOSA DA SILVA
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Severino Sombra (2008), pós-graduação lato sensuAtenção Psicossocial na Infância e Adolescência pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013), pós-graduação stricto-sensu em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (2014). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Exclusão Social, atuando principalmente nos seguintes temas: infância e adolescência, psicologia e judiciário.

RICARDO PIMENTEL MÉLLO
Professor Titular do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará tanto na Graduação como na Pós-Graduação. Tese de Professor Titular (2017- Conceito de Cuidado). Pós-graduação: Pós-doutorado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2012 – Teoria Ator-Rede); Doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002 – Tese: Abuso Sexual Infantil); Mestrado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1994 – Dissertação: Violência Agrária); Formação em Psicanálise no Centro de Estudos Psicanalíticos de São Paulo (2000); Especialização em Psicologia Clínica e Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Pará (1992 ? Monografia: Pulsão de Morte). Graduação: Formação de Psicólogo pela Universidade Federal do Pará (1986 – TCC: Relações Sexistas); Bacharelado em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (1985). Realiza estudos e pesquisas sobre uso recreativo, abusivo e compulsivo de drogas/substâncias psicoativas, lícitas e/ou ilícitas. Temáticas Práticas de Cuidado e Promotoras de Saúde: Estudos clínicos? (Acompanhamento Terapêutico, Consultório na Rua, Clínica Itinerante, Gestão Autônoma de Medicamentos; Desamparo e Dor); Redução de Danos e Potencialização de Prazeres; Políticas de Drogas, Biopoder e Governamentalidade; Drogas/Substâncias Psicoativas e Relações de Gênero; Substâncias Psicoativas como Atuantes (Teoria Ator-Rede). Coordena o Núcleo de Estudos sobre Drogas (UFC) e colabora com: Núcleo de Estudos sobre Práticas Discursivas e Produção de Sentidos (PUC-SP); Núcleo de Lógicas Institucionais e Coletivas (PUC-SP); Núcleo de Pesquisa e Extensão sobre Drogas (UFCG).

ROSA SOARES NUNES
Professora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCE UP), aposentada. Regeu a disciplina de Investigação-Ação e inovação em Educação, lecionando também a disciplina de Socioantropologia do Desenvolvimento e da Cultura, bem como várias disciplinas no âmbito dos cursos de Mestrado e de Doutoramento da FPCEUP, dos quais foi membro das respetivas comissões científicas. Coordenadora de Mestrados em Ciências da Educação da FPCEUP. Atualmente, Professora Convidada da FPCEUP. Investigadora integrada do Centro de Investigação e Intervenção Educativa (CIIE) da FPCEUP. Vice-Presidente da Assembleia Geral do Instituto Paulo Freire de Portugal. Membro da Comissão de Ética da FPCEUP. Coordenadora nacional do Projecto Internacional – “Educação Básica, Ensino e Formação Docente no Brasil, em Portugal e na Itália: dificuldades de escolarização e ações multidisciplinares na construção de políticas públicas intersectoriais para melhorar a qualidade da escola” - numa parceria entre a Universidade de São Paulo, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto e Universidade de Pádua. Coordenou vários Projetos nacionais e internacionais de que destaca o Projecto Internacional da UNESCO – “Formação de Professores para Escolas Inclusivas”, no Norte de Portugal. Constituiu e coordena o “Círculo de Estudos e Intervenção na Medicalização da Educação”, sedeado na FPCEUP.  Redactora final do Manifesto: “Por uma Abordagem não Medicalizante nem Patologizante da Educação”. Vice-Presidente da Direção da Associação Portuguesa Para a Cultura e Educação Permanente (APCEP). Associate Editor da Educational Action Research – an internactional journal, ROUTLEDGE; Revisora da EAR – an  international journal, Routledge e de outras revistas nacionais e internacionais. Membro do Conselho Consultivo do Projeto da Câmara Municipal de Lisboa e Sta Casa da Misericórdia “Lisboa, Cidade de Todas as Idades”. Tem colaborado com outras universidades nacionais e estrangeiras. Autora e co-autora de livros, de que destaca NADA SOBRE NÓS SEM NÓS - A Centralidade da Comunicação na Obra de Boaventura de Sousa Santos; e Centros de Formação Contínua de Professores: Testemunhos, bem como de dezenas de artigos em revistas nacionais e internacionais. Prémios: 2006 atribuído a NADA SOBRE NÓS SEM NÓS – A Centralidade da Comunicação na Obra de Boaventura de Sousa Santos, Cortez Editora – para a modalidade de produção científica, pela Associação Cultural Amigos Para Sempre; 1998 - Reconhecimento pelo Estado Português de Mérito Excepcional e do grau de Excelente pelo trabalho desenvolvido no campo da Educação, publicado pelo “Diário da República” (Diário da República II Série nº 141 de 22-6-1998, por Despacho nº 10424/98); 1994 – Prémio da Fundação António de Almeida, pela mais alta classificação do seu curso na Licenciatura em Ciências de Educação da FPCEUP em Julho de 1994.

SAULO LUDERS FERNANDES
Realizou sua graduação na Universidade Estadual de Maringá (2002-2007), bem como seu mestrado em psicologia (2007-2009). Desenvolveu no mestrado pesquisa sobre do envelhecimento em uma comunidade ribeirinha, tendo como base metodológica a pesquisa participante. Ingressou como docente em 2009 na Universidade Federal de Alagoas na cadeira de disciplinas de Psicologia Social na qual exerce atualmente o cargo de professor. Realizou doutorado na Universidade de São Paulo (2014-2016), trabalhando com itinerários terapêuticos de moradores de um quilombo do agreste de Alagoas, com o objetivo de analisar a atuação da política de atenção básica neste território. Realiza pesquisas e projetos de extensão na área de psicologia social com ênfase na luta e garantia de direitos de comunidades tradicionais, quilombolas, indígenas e movimentos de luta pela terra da região do agreste de Alagoas. É tutor do Programa de Educação Tutorial (PET) Núcleo de Estudos do Semiárido Alagoano (NESAL) que tem por objetivo realizar pesquisas, projetos de ensino e extensão demandas sociais e políticas das comunidades tradicionais do Ingressou no ano de 2017 como professor do programam de pós graduação de psicologia nível mestrado na UFAL na linha de pesquisa 2: Saúde, Clínica e Práticas Psicológicas. Coordena linha de pesquisa no grupo de pesquisa Psicologia da Saúde intitulada: práticas de saúde, contexto rural e cotidiano. Atualmente está trabalhando na pesquisa: Itinerários terapêuticos de Saúde mental de moradores de quilombos do agreste de Alagoas.

TATIANA ALVES CORDARO BICHARA
Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998) e mestrado em Psicologia Social (Núcleo Organização e Ação Social – prof. Dr. Peter Spink) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). É doutora em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo – IPUSP no Depto. de Psicologia Social e do Trabalho. (2014) sob a orientação da Prof. Dra. Ianni Scarcelli. É docente titular do Instituto de Altos Estudios Nacionales – IAEN – Equador (set/16-atual). Atuou como Coordenadora Geral de Pesquisa do Instituto de Altos Estudios Nacionales – IAEN – Equador (jan/17-ago/18). Atuou como docente do Programa Rede Sampa, na área de Redes de Atenção Psicossocial (maio/2015 – ago/16). Atuou como docente da graduação do Curso de Psicologia da Universidade Nove de Julho – UNINOVE – de março de 2011 a dezembro de 2014. Atuou como docente do Deptartamento de Psicologia Social e Institucional da Universidade Estadual de Londrina – UEL (2009-2010) e da Faculdade de Psicologia da Universidade Paulista – UNIP – Jundiaí (2009-2010). É fundadora e atuou como coordenadora da Oficina de Dança e Expressão Corporal (2001-2016) e foi preparadora corporal do Projeto Coral Cênico Cidadãos Cantantes (1997-2009), na Galeria Olido. Trabalhou em Projeto de Pesquisa Qualitativa sobre a Atuação dos/as Psicólogos/as nas Políticas Públicas Nacionais para o CREPOP – CFP sob a coordenação do Prof. Dr. Peter Spink, na Fundação Getúlio Vargas (2007-2009). Atuou como gerente do programa Educação e Cidadania na Associação Novolhar e como assessora de desenvolvimento local no Instituto Rukha. Tem experiência na área de Psicologia Social, Políticas Públicas, Arte, Saúde Coletiva, Saúde Mental e Cultura.

TIAGO ALMEIDA
É Licenciado, Mestre e Doutorado em Psicologia Educacional pelo Instituto Universitário – ISPA. Atualmente é Professor Adjunto na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa. Nesta instituição coordena o domínio científico da Psicologia e o Curso de Pós-Graduação em Educação em Creche e Outros Equipamentos dos 0 aos 3 anos e integra a equipa de coordenação do Mestrado em Educação Pré-Escolar. Colabora pelo 4º ano consecutivo no Mestrado em Ensino de Dança da Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa. Integra o Centro de Investigação em Educação do ISPA – Instituto Universitário. Atualmente, os seus interesses de investigação centram-se na infância, nas crianças pequenas e nos seus contextos de vida. Especificamente, está a estudar o brincar de crianças pequenas com e sem incapacidade e a genealogia das representações de criança e infância desde o século XVIII até à atualidade.

VANESSA AMARANTE DE SOUZA
Possui ensino-medio-segundo-graupelo Instituto Federal do Ceará (2015). Atualmente é Extensão da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Psicologia.