Capa do livro: RUACH DE RESISTÊNCIA – manifestações da cultura sefardita

RUACH DE RESISTÊNCIA – manifestações da cultura sefardita

Autores: Marjones Jorge Xavier Pinheiro (Orgs.)

livro impresso
de R$ 45,50 por
livro digital
de R$ 45,50 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

 
Indique para um amigo
Insira seu CEP para calcular o frete:

Sinopse

Neste livro, novamente os membros do GPDAS (Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas), CNPq/UFS, demonstram sua inegável capacidade de discernir perspectivas e enfoques inovadores nas pesquisas sobre a experiência histórica dos judeus sefarditas durante os tempos modernos. Prova disto, é a variedade dos estudos apresentados ao longo dessa obra. Ao todo, são onze textos que seguem diferentes caminhos e abordagens, mas que mantêm o diálogo permanente, reafirmando a unidade em torno de um movimento de resistência, Ruach.
Sob esta perspectiva cultural, abordada por todos os autores, dividimos a obra em três grandes unidades temáticas. A primeira analisa a situação dos judeus sefarditas quando confrontada com o Catolicismo Apostólico Romano, sobretudo no século XVI. A segunda unidade apresenta questões advindas da institucionalização da religiosidade sefardita em Amsterdã e no Recife, na primeira metade do século XVII. Por fim, a terceira e última traz temas da cultura sefardita contemporânea, tanto de comunidades judaicas organizadas quanto de questões culturais do criptojudaísmo tardio.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-85-444-4012-4
DOI: 10.24824/978854444012.4
Ano de edição: 2020
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 180
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

RUACH DE RESISTÊNCIA – manifestações da cultura sefardita

Autores

EDUARDO NEVES ROCHA DE BRITO
Doutorando e Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Possui Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Desenvolve pesquisas antropológicas sobre a produção científica no semiárido nordestino em contraste com os conhecimentos tradicionais e as políticas de desenvolvimento local, regional, nacional e internacional. É membro da Associação Brasileira de Estudos Sociais das Ciências e das Técnicas (ESOCITE.BR). É membro da base de pesquisa “Cultura, Identidade e Representações Simbólicas (CIRS)”, vinculada ao Departamento de Antropologia da UFRN e pesquisador do KRISIS – Laboratório de antropologia, filosofia e política da UNIVASF.

ERNANIA SANTANA SANTOS
Mestra em História pela Universidade Federal de Sergipe – UFS (2016). Possui graduação em História pela Universidade Federal de Sergipe (2013). Integrante do Grupo de Pesquisa “Diáspora Atlântica dos Sefardistas” CNPq/UFS. Possui Curso Profissional Técnico em Saúde e Segurança no Trabalho, (2008). No grupo de pesquisa, trabalha com os temas do judaísmo, cristãos-novos e criptojudaísmo sefardita.

FERNANDA CAVALCANTI MATOS BEZERRA
Mestre em História pela Universidade Federal de Sergipe, UFS. Docente em Secretaria Municipal da Educação de Aracaju, SEMED, e em Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura de Sergipe, SEDUC/SE. Membro do Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas, GPDAS/ UFS-CNPq.

ISIS CAROLINA GARCIA BISPO
Graduada em História pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), mestre em Ciências da Religião na UFS, graduada em Biblioteconomia e Documentação pela UFS e atualmente é Mestranda do mestrado Profissional em Gestão da Informação e do Conhecimento pela mesma universidade. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas (GPDAS) e do Grupo de Pesquisa em Leitura, Escrita e Narrativa (PLENA)

JOSÉ EDMILSON FELIPE DA SILVA
Formado em pedagogia pela UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, mestre em Ciências da Linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco e doutor em Educação também pela UFRN. Pesquisa sobre Libras – Língua Brasileira de Sinais (criou junto com Laralis Nunes de Sousa Oliveira, e lidera, o Grupels – Grupo de Pesquisa Educação, Linguagem e Surdez), educação de surdos, história em quadrinhos, marranismo e genealogia. Suas pesquisas sobre marranismo e genealogia o levaram a descoberta de um conjunto de reminicências marranas e pós-marranas entre seus parentes, unindo assim os dois campos de pesquisa. Partindo de uma perspectiva do pensamento complexo ele consegue ver nestes temas associação com a linguagem e historia dos quadrinhos e mesmo com a história da educação dos surdos.

MARCOS SILVA
Nasceu em maio de 1962, em Natal, RN. Graduou-se em História pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), cursou o mestrado e o doutorado em História da Educação na UNIMEP (Universidade Metodista de Piracicaba, SP), fez estudos de aperfeiçoamento no CEPESE (Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade), Universidade do Porto, e Pós-Doutorado no PPGAS (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social) da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte). É professor Associado do Departamento de História da UFS (Universidade Federal de Sergipe) e Coordena o Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas.

MARJONES JORGE XAVIER PINHEIRO
Doutor e Mestre em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, na qual também graduou-se em Comunicação Social – Bacharelado Jornalismo. É Especialista em Ciência Política pela Universidade Católica de Pernambuco, UNICAP. É Diretor de Jornalismo da Aperipê TV em Sergipe. Coordenou os Cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Fotografia da Uninassau em Pernambuco. Desde 2017, é Pesquisador do Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas, CNPq/UFS (GPDAS). Desenvolve pesquisas sobre religião, morte, cultura e identidade. Marjones Pinheiro também é autor do livro A morte e o morrer no Judaísmo.

NELSON SANTANA SANTOS
Doutorando em Sociologia (UFS), Mestre em História (2019 – UFSE) e em Ciências da Religião (2017 – UFSE), graduado em História (2005 – UFSE). Atuou como Professor de História na rede municipal de ensino de Aracaju/SE. Atualmente é técnico judiciário no Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe. Desenvolve pesquisas sobre a interface entre religião e identidades, com especial enfoque sobre a presença dos cristãos-novos e judeus na História do Brasil e do “Mundo Atlântico”. É Membro do Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas (GPDAS/UFS/CNPq) desde o ano de 2014.

NILTON BRUNO FEITOSA SANTANA
Mestre em História pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas, CNPq/UFS (GPDAS). Nascido na cidade de Aracaju, adentra na graduação do curso de História em 2011 e, em 2015, pela mesma universidade, ingressa no mestrado tendo concluído em 2017. No que concerne ao GPDAS, constitui um membro do grupo desde o ano de 2011 quando ainda cursava os primeiros períodos da graduação. Por esse Grupo, aos poucos, foi sendo orientado pelos membros mais experientes, em especial Prof. Dr. Marcos Silva, Coordenador do Grupo. Hoje, Nilton Santana constitui um dos pesquisadores que formam o GPDAS.

PRISCILLA DA SILVA GÓES
Atualmente, professora contratada do Município de São Cristóvão. Mestra em “Ciências da Religião” pela Universidade Federal de Sergipe (2017) com bolsa da “Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe” / FAPITEC-SE; Especialização em “Educação e Patrimônio Cultural em Sergipe”, pela Faculdade Atlântico (2008). Possui graduação em História pela Universidade Federal de Sergipe (2006) e Membro do Grupo de Pesquisa “Diáspora Atlântica dos Sefarditas” – GPDAS. Foi tutora e coordenadora de tutoria do CESAD- UFS com as disciplinas: História Antiga; História Medieval; História Moderna; História Contemporânea; Natureza e História; Introdução à História; Histórias das Américas. Na UFS, professora das disciplinas: Psicologia do Fenômeno Religioso; História das Religiões; Campo religioso no Brasil; Campo de religioso em Sergipe; Estágio docente; Tradições Religiosas Indígenas; Religião e Saúde. Área de atuação: Judaísmo; Criptojudaísmo; História dos Hebreus; História do Cristianismo; Inquisição Portuguesa; História da Música; Música e aulas de História; História da Arte; Brasil Colônia; História Moderna; dentre outros.

TAYLANA LIS DE ARAÚJO PEREIRA
Possui graduação em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Sergipe (2011-2016). É aluna mestranda do PROHIS (Programa de Pós-graduação em História) na Universidade Federal de Sergipe. Membro do GPDAS (Grupo de Pesquisa Diáspora Atlântica dos Sefarditas, CNPq/UFS), desde 2013, na função de pesquisadora, desenvolvendo projetos e artigos, além de atividades que envolvem transcrições de processos inquisitoriais. É orientada do Dr. Marcos Silva na linha de pesquisa Cultura, Memória e Identidade.