Capa do livro: RITUALIZAÇÕES DO PASSADO: <br>a história como prática escrita e rememorativa

RITUALIZAÇÕES DO PASSADO:
a história como prática escrita e rememorativa

Autores: Douglas Attila Marcelino (Org.)

livro impresso
de R$ 71,88 por
livro digital
de R$ 71,88 por

Disponibilidade: 2 Dia(s)
+ Prazo de Frete

Desconto no frete*!

Nas Compras de:

3 livros - 50% de desconto

5 livros - frete gratuito

* O desconto será aplicado no envio da modalidade Impresso Normal
(Sem rastreio e sem aviso de entrega)
 
Consultar frete e prazo de entrega

Sinopse

Este livro reúne estudos sobre a escrita da história e sobre outras formas de ritualização do poder e do tempo, como as comemorações cívicas. Certos temas centrais no estudo da teoria e da historiografia são também abordados, como a ética, a narrativa e a temporalidade histórica.

Detalhes do produto

Editora: EDITORA CRV
ISBN:978-65-5578-299-8
ISBN DIGITAL:978-65-5578-302-5
DOI: 10.24824/978655578299.8
Ano de edição: 2020
Distribuidora: EDITORA CRV
Número de páginas: 246
Formato do Livro: 16x23 cm
Número da edição:1

Sumário

RITUALIZAÇÕES DO PASSADO: <br>a história como prática escrita e rememorativa

Autores

BRENO MENDES
É professor adjunto na Universidade Federal de Goiás. Doutor em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Sua tese de doutorado, sob a orientação de Douglas Attila Marcelino, investigou o problema do sentido na Filosofia da História de Paul Ricoeur. Sua dissertação de mestrado, sob a orientação de José Carlos Reis, deu origem ao livro A representação do passado histórico em Paul Ricoeur lançado pela Editora FI. É um dos organizadores da obra Sete ensaios sobre história e existência. Atua na área de Teoria e Filosofia da História e Ensino de História.

CAROLINA DE OLIVEIRA SILVA OTHERO
É mestra em história pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG), com a dissertação Tradição, linguagem e orientação: a escrita da história de Manoel Bomfim (1923-1931), orientada pelo prof. Dr. Douglas Attila Marcelino. É professora de história no ensino fundamental, atuando na rede pública estadual de Minas Gerais e na rede privada.

DANILO PATRÍCIO
É doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG). Autor da tese O “omelete ecumênico”: a reescrita do (outro) sertão no Corpo de Baile de Guimarães Rosa. Participa do grupo de pesquisa “Ritualizações do poder e do tempo: grupo de estudos em teoria e historiografia”, coordenado pelo Prof. Dr. Douglas Attila Marcelino. É autor do livro Festeiros do Tempo (Edições BNB), resultado de sua dissertação no Mestrado em História na UFC, por onde também se graduou em comunicação social (jornalismo). Integra o “Laboratório de Estudos de Estética e Imagem da UFC” (Grupo Imago).

DENILSON DE CÁSSIO SILVA
É doutorando em História e Culturas Políticas junto ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG), com pesquisa sobre as ideias políticas de Cecília Meireles. Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET/MG). Mestre em história social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Licenciado e bacharel em história pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Autor de O drama social da abolição (Ed. Prismas, 2016) e de Perguntas da História (poemas) (Ed. Labrador, 2018).

DOUGLAS ATTILA MARCELINO
É pesquisador do CNPq e professor do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG), do qual foi coordenador entre 2016 e 2018. É mestre e doutor em história pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGH/UFRJ, 2006 e 2011) e realizou pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGH/UFRRJ – CAPES/PNPD, 2013), vinculado ao “Histor: Núcleo de Pesquisas sobre Teoria da História e Historiografia”. É autor, entre outros, dos livros O corpo da Nova República: funerais presidenciais, representação histórica e imaginário político (FGV, 2015) e Historiografia, morte e imaginário: estudos sobre racionalidades e sensibilidades políticas (Alameda, 2017).

ERIKA MORAIS CERQUEIRA
É doutoranda em História e Culturas Políticas junto ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG) e integrante do grupo “Ritualizações do poder e do tempo: grupo de estudos em teoria da história e historiografia”. Mestre em história pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e especialista em filosofia pela mesma Universidade. É sócia e pesquisadora da Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia (SBTHH). Atuou como colaboradora junto ao Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade (NEHM), vinculado ao Departamento de História da UFOP. Autora do livro Habitar o Passado – Gustavo Barroso e o seu tempo. Atualmente tem se dedicado a investigar as narrativas biográficas e as representações da história nacional durante a Primeira República e a Era Vargas. Professora efetiva de história e pesquisadora do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena – IFSUDESTE MG.

HÉLIA COSTA MORAIS
É doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG). Mestra em história pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e licenciada em História pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UFRN). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Tem desenvolvido pesquisas na área de História da Historiografia, atuando principalmente nos temas: Historiografia Brasileira, História Intelectual e Cultura Histórica.

ISABELA LEMOS COELHO RIBEIRO
É mestre no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG), integrante do grupo “Ritualizações do poder e do tempo: grupo de estudos em teoria e historiografia” e professora de história na rede municipal de Belo Horizonte.

MARCO GUISOLI GIRARDI
Possui graduação em história pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e mestrado em história pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGH/UFMG). Interessa-se por temas como teoria da história, hermenêutica e psicanálise.

ROBSON FREITAS DE MIRANDA JUNIOR
É graduado em história pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Nessa mesma instituição, realizou seu mestrado junto ao Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFMG), dentro da linha de pesquisa Ciência e Cultura na história, com pesquisa sobre o historiador francês Michel de Certeau. Atualmente leciona história na educação básica na cidade de Belo Horizonte.